terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Voltei... mas vou saltar um capitulo ( o da passagem de ano )


O meu amor pelo Natal é proporcional ao ódio que sinto por passagens de ano e por Carnaval :Z.
nO entanto adoro festas ... mas festas espontâneas não daquelas em que parece que é obrigatório as pessoas divertirem-se.

3 comentários:

APO (Bem-Trapilho) disse...

É! no fundo é mais um dia, porque a "festa" ou o resultado da entrada com pé direito vai-se construindo ao longo de todo o ano, não é? Também nunca percebi muito bem a euforia do 5, 3, 2, 1, 0! Mas eu não tenho nada contra!!! Note-se! Apenas não o sinto! Noutros anos, noutras passagens, mais jovem, achei que iria sentir algo especial à meia-noite, ou mal passasse a meia-noite. Mas a meia-noite passava e... nada! "Estou na mesma!" pensava eu sentindo-me um tanto defraudada nas expectativas. No entanto, é um início e gosto sempre de ter boa atitude e bons pensamentos em qquer inicio, seja de um novo projecto, seja para uma nova vida, seja para um novo ano, seja no que for.
bjinho grande e é... realmente não temos muitas musicas em comum! :) mas por mim gosto sempre de conhecer coisas novas na musica! também por isso é positivo vir aqui.
bjo lindinha!

Lenita disse...

Bem... de facto, prefiro coisas espontêneas... porém, não me desagrada a ideia do Reveillon e muito menos a do Carnaval!! :-D Agrada-me mais o Reveillon, acho que tem a ver com esperança, com fazer balanços e sabes que eu gosto disso... gostava de, um dia, quando for podre de velha e podre de rica, passar o ano em Paris... Natal e Reveillon... em Londres também gostava, Times Square não seria mau, mas não seria a minha prioridade. De facto, parece que existe uma certa obrigatoriedade de te divertires na passagem de ano... o que é uma tontice, a meu ver. Normalmente, não me divirto nada, mas fico sempre contente, porque tenho sempre a sensação de renovação... por acaso, isso acontece-me... e de recomeço, coisa de que gosto. A excepção à regra, foi o ano passado, em que tive um péssimo pressentimento quando deram as doze badaladas... e tinha toda a razão. 2007 foi dos piores anos da minha vida. Felizmente, o pressentimento ao soar das 12 badaladas quando 2007 nos abandonou e quando 2008 chegou até nós, foi diametralmente oposto... esperemos que 2008, para quem 2007 não correu bem, seja diametralmente oposto a 2007!! Quanto ao Carnaval, acho a festa mais pindérica do mundo, mas tem a vantagem que tu sabes que eu gosto: as máscaras!!

Lenita disse...

Eh, eh, eh... e a imagem que escolheste para este post está absolutamente genial...